a z a r

* * *

Nenhuma idéia de post me bate à porta e os carteiros também não.

Tornei-me dependente dos Correios desde cedo, pois sempre morei longe de tudo (como diz um amigo, eu sou “o homem que veio de longe”). Aos 9 ou dez anos eu costumava comprar um maço daqueles aerogramas amarelos e autocolantes e lembro que eles não duravam muito, no máximo duas semanas. Eu escrevia para as redações das revistas, para os fanzines de quadrinhos e de ficção científica e de aeromodelismo e para o trabalho do meu pai e escrevia bastante para o meu primo Félix (aquele, que ilustrou o Hotel Hell). Eu enviava desenhos, roteiros de HQs, dicas sobre mágicas que eu aprendia no “Manual do Mandrake” e também sobre dissecação de cobras, morcegos e aranhas. Naquela época não me faltava assunto.

 

E daí, um pouquinho mais tarde, eu descobri o poder das cartas de amor (alguma paixonite de verão motivou a descoberta). Foi depois disso que comecei a valorizar ainda mais a diligência dos carteiros e comecei a me comunicar com eles. Eu escrevia bem pequenininho no envelope de um jeito que só eles podiam ver “Corre carteiro amigo, e leva essa mensagem pro meu amor” ou “Amigo carteiro: você precisa entregar esta carta com urgência, pois dentro dela segue o meu coração”. Eu tinha onze anos, compreendem?

 

Então hoje, com essa greve dos Correios (“105 milhões de correspondências deixam de ser entregues em 15 dias de greve”, dizem os jornais) eu penso nas cartas de amor e nas pessoas que estão à espera dessas cartas. Eu me preocupo com elas. Quando dois corações não se comunicam, invariavelmente se estrumbicam. Será que os grevistas não sabem disso?  O meu amor, que sabe o quanto dependo do bom andamento dos carteiros, soube compreender muito bem o meu gosto antigo por receber cartas. Quando quer me dar presentes, ela não os entrega pessoalmente e sim manda pelo Correio! Por isto, acho, que sempre pensei que amor de verdade só funciona se for correspondido.

 

Abaixo a greve dos carteiros!

Post-scriptum: Ufa!

Anúncios
Padrão

2 comentários sobre “* * *

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s