k a r a m b o l a s !

KkkaaaaAArraaaaAAAmmmMMM!

Alvíssaras, saiu um livro inédito de Manoel Carlos Karam! Graças à paixão e à garra do Paulo Sandrini e da Luci Collin, os inventores da Kafka Edições, e à lei municipal de incentivo à cultura de Curitiba (sem grana ninguém faz porríssima nenhuma), temos um livro póstumo de Manoel Carlos Karam!

O inédito é conhecido entre os amigos como “o livro da Katia”. A queridíssima Katia Kertzman é a mulher do falecido Karam, o homem de humor mais sardônico do mundo e uma pessoa pra lá de genial. O mundo, ao contrário do que Paulo Scott e a maioria pensam, está cheio de escritores brasileiros geniais. O Karam é um deles. O livro se chama Jornal da guerra contra os taedos”. Esse título se refere aos fragmentos identicamente intitulados presentes no “Pescoço ladeado por parafusos”, orgulhosamente editado pela Ciência do Acidente em 2001. A Katia é fã dos taedos e pediu ao Karam que escrevesse um livro só sobre o assunto. E, para a nossa sorte, o Karam amava muito a Katia (e os taedos) e escreveu o livro, que começa assim:

“RESUMINDO: foi a guerra dos filhos da luz contra os filhos das trevas, ambos filhos da puta.”

O livro inteiro está lotado de parágrafos divertidíssimos como este. Quando leio esses parágrafos até consigo ver os olhos lacrimejantes do velho Karam diante do monitor e ouvir suas gargalhadas silenciosas ecoando no corredor da casa do Bom Retiro. Lá fora, no quintal, vaga-lumes projetam luzes nas latinhas de Heineken, deixando o céu esverdeado. Que saudades, Karam!

Mais uma:

“Foi determinado por lei que, em razão da necessidade de pressa em tempo de guerra, a palavra guerra poderia ser escrita ou pronunciada com um erre apenas. Pequenas atitudes como esta ajudam a ganhar a guerra, disse o porta-voz do exército. E por que não porra com um erre só?, disse o porta-voz da Gramática.*”

* As palavras eram batalha e cacete, que têm dois erres na língua do redator deste Jornal. A tradução optou por duas palavras com dois erres em português para que fizessem algum sentido. (Nota do tradutor)

E outra mais:

“A guerra contra os taedos já durava três anos quando chegou o emissário do papa para nos informar que era pecado entrar em guerra contra os taedos. Como não fomos nós que entramos em guerra contra os taedos mas os taedos que declararam guerra contra nós, matamos o emissário do papa. Ele não deu a outra face porque estava morto.”

Esta daí é a forma com que acaba “Jornal da guerra contra os taedos”, e nem venham me xingar por revelar o final, pois esta é também a forma com que se inicia “Pescoço ladeado por parafusos”. Inigualável gozador, Karam escreveu o livro que antecedia o “Pescoço”. Não fiquem esperando chegar às livrarias, encomendem seu exemplar DJÁ!

Puta saudade, Karam!

PS. A Kafka Edições estréia com quatro outros títulos bacanas, de Paulo Sandrini, Luci Collin, Marcelo Benvenutti e Luiz Felipe Leprevost, mas estou tão feliz e emocionado que lhes deixo o trabalho de conferir lá no site da editora. A Kafka veio pra ficar!

Anúncios
Padrão

3 comentários sobre “KkkaaaaAArraaaaAAAmmmMMM!

  1. Ricardo K Sanchez disse:

    Achei Encrenca dele aqui na feira do livro de São Luís, baratinho. Comprei depois que li esse texto aqui. Espero que seja realmente bom.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s